sábado, 3 de novembro de 2012

Sobre essa menininha, a Esperança

Posted by Sammis Reachers on sábado, novembro 03, 2012 with 1 comment


Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio e cuja esperança está posta no Senhor, seu Deus.
Salmos 146:5

Sammis Reachers

Uma das chamadas três virtudes teologais, citadas pela apóstolo Paulo em 1Co 13.13 (ao lado da Fé e do Amor) a Esperança é, das três, talvez a virtude menos considerada, e no entanto parece-me ser a mais inatamente presente no ser humano.

Mas quem é essa menina, essa força invisível, esse brilho nos olhos que é a Esperança? Por que a Esperança resiste tão fortemente, mesmo esmagada e esquecida no fundo de uma cela? Mesmo de joelhos dobrados à coronhadas, mesmo diante do pelotão, com armas apontadas para sua cabeça de olhos vendados, inchados de tanto levar socos, torturada? Mesmo diante do sorriso imundo de Satanás, como essa força, essa menininha, a esperança no escape, a esperança no bem, a esperança no Altíssimo, resiste no subsolo deste edifício implodido que é o homem? Tenho uma definição para a Esperança: Rebelião contra a Queda.

A Esperança, a inata (por Deus plantada) rebelião contra a Queda viva no coração humano, quando alcança a graça de encontrar seu objeto na epifania (manifestação física da divindade) Jesus Cristo, torna-se de Rebelião em Revolução. Mas ainda em estágio de Rebelião, manifesta-se já sua maior singularidade: a Esperança humana, mesmo antes do nascimento de Cristo e mesmo para aqueles que, ontem ou hoje, nunca o conheceram, é já Cristo abraçando o mundo por toda a extensão da história, do homem; é ela própria a ‘eternidade que Deus pôs no coração de todo homem’ (Ec 3.11).

Talvez você tenha já ouvido falar no Fator Melquisedeque, um conceito fundamental em Missiologia, e que foi proposto pelo antropólogo Don Richardson, em seu livro de mesmo nome. Num resumo wikipediano, lê-se que “O Fator Melquisedeque é designação dada à consciência universal da existência de um Deus único, entre as diversidades de expressões culturais e religiosas dos diferentes povos e civilizações ao longo da história.” É como um ‘gancho’ deixado por Deus em cada cultura, para facilitar a posterior assimilação da Revelação do Evangelho.

Pois entendo nossa menininha, a Esperança, como a expressão básica, elementar, a molécula feita e utilizada para erigir no homem aquilo que Don Richardson definiu como o Fator Melquisedeque. Uma outra metáfora: a Esperança como os tijolinhos que formam o templo vazio que nasce junto com cada filho de Adão, templo este que tem o tamanho exato de Deus, pois feito sob estrita medida. O homem nasce um templo vazio, mas feito de Esperança. A Esperança, tudo o que nos restou, é o edifício pronto para recebê-Lo (a Deus) em nós. A Esperança é a mão que em nós o Espírito Santo usa para segurar o outro lado da corrente, a Mão de Deus.

Jurgen Moltmann, teólogo alemão, proponente da principal corrente da assim chamada Teologia da Esperança, e que, soldado da Alemanha derrotada na Segunda Guerra, foi mandado para campos de prisioneiros de guerra na Irlanda, nos diz:
“Vi homens nos campos que haviam perdido a esperança. Eles simplesmente se entregavam, adoeciam e morriam. Quando na vida a esperança hesita e se desfaz, uma tristeza que vai além de todo o consolo toma conta da pessoa. Já a esperança incomoda e inquieta. A pessoa não se contenta mais com a situação, com a forma como as coisas estão.”

Moltmann foi inspirado pelo filósofo alemão Ernst Bloch, para quem todo ser humano é instintivamente dotado de esperança, é insuflado a buscar – avançando - a Utopiasonhada. Bloch era ateu e marxista revisionista; tinha, portanto, uma visão secular para qual seria a Utopia sendo perseguida pelo homem. Utopia esta que Moltmann corretamente entende como o Reino vindouro de Cristo, cuja ressurreição e ascensão são as marcas patentes da promessa de seu Retorno, são como que os próprios signos da Esperança.

Se Moltmann era soldado um alemão aprisionado em campos de concentração dos vencedores Aliados, e que durante seu sofrimento em meio a tal situação achegou-se à esperança cristã, na outra face desta estranha moeda, o psiquiatra judeu Viktor Frankl, contemporâneo de Moltmann, desenvolvia as bases de sua Logoterapia, enquanto prisioneiro também em campos de concentração, mas como prisioneiro dos alemães.

Frankl, tendo perdido praticamente toda a sua família para a máquina de extermínio de Hitler, agarrou-se (ele também) à Esperança (entendida, em suas próprias palavras, como ‘fé no futuro e vontade de futuro’), e desenvolveu sua doutrina baseado na valorização da esperança (otimismo) como sentido para a vida. Frankl cedo percebeu no homem um vazio causado pela ‘vontade de Sentido’, e concluiu (renegando aqui seus predecessores e antigos ‘mestres’ Freud e Adler) acertadamente que esse vazio tem origem espiritual, e desse vazio decorrem os principais problemas psíquicos do homem.

Repito aqui a pergunta feita acima: que força é essa que resiste no subsolo do edifício homem, mesmo quando este edifício é implodido? Ambos os prisioneiros poderiam ter desistido de suas vidas e se entregado, mas ambos vislumbraram, cada qual a seu modo, a Esperança, e agarraram-se a ela com todas as suas forças, com tudo de si. E passaram a desenvolver suas doutrinas tendo ela por fundamento. Não é algo fascinante? Continuemos com Frankl:

Estás no valo trabalhando. O crepúsculo que te envolve é cor-de-cinza, o céu acima é cinzento, cinzenta a neve no pálido lusco-fusco, os trapos dos teus companheiros são cinzentos, e também os semblantes deles são cor-de-cinza. Retomas outra vez o diálogo com o ente querido. Pela milésima vez lanças rumo ao sol teu lamento e tua interrogação. Buscas ardentemente uma resposta, queres saber o sentido do teu sofrimento e de teu sacrifício - o sentido de tua morte lenta. Numa revolta última contra o desespero da morte à tua frente, sentes teu espírito irromper por entre o cinzento que te envolve, e nesta revolta derradeira sentes que teu espírito se alça acima deste mundo desolado e sem sentido, e tuas indagações por um sentido último recebem, por fim, de algum lugar, um vitorioso e regozijante ‘sim’.”

Ao erigirem a Esperança como sua interna rebelião contra a derrota, a solidão, o vazio e a morte, ambos venceram. É Agostinho de Hipona quem diz: “A Esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.

Causa fascinação que em situações extremas, de dor radical, holística (abarcando todas as dimensões do humano), essa virtude resista combatendo no coração desses e de tantos outros homens? Mas é isso mesmo que ela é, o Princípio Combatente no coração do homem, a arma do Santo Espírito. Mesmo atirada ao fundo lamacento do poço, como José, como Jeremias, ela escava, ela escala, ela acredita - e oferece um sorriso para insuflar os mutilados.

Há um poema de um grande poeta cristão francês, Charles Péguy, que, em seu estilo intimista e desabusado, e que faz tão bom uso das repetições (talvez como nenhum outro poeta que eu conheça), fala oportunas palavras sobre essa menina magricela, mas apaixonante e veementemente forte, a Esperança. Coligi esse poema na Breve Antologia daPoesia Cristã Universal que organizei. É um pouco extenso, mas vale a pena você ler.

A Esperança

Tradução de Guilherme de Almeida

A crença de que eu gosto mais, diz Deus, é a esperança.

A fé, isso não me espanta.
Isso não é espantoso.
Eu resplandeço de tal maneira na minha criação.
No sol e na lua e nas estrelas.
Em todas as minhas criaturas.
Nos astros do firmamento e nos peixes do mar.
No universo das minhas criaturas.
Sobre a face da terra e sobre a face das águas.
No movimento dos astros que estão no céu.
No vento que sopra sobre o mar e no vento que sopra
no vale.
No calmo vale.
No tão quieto vale.
Nas plantas e nos animais e nos animais das florestas.
E no homem.
Minha criatura.
Nos povos e nos homens e nos reis e nos povos.
No homem e na mulher sua companheira.
E principalmente nas crianças.
Minhas criaturas.
No olhar e na voz das crianças.
Porque as crianças são mais minhas criaturas.
Do que os homens.
Elas não foram ainda desfeitas pela vida.
Da terra.
E entre todos elas são meus servidores.
Antes de todos.
E a voz das crianças é mais pura do que a voz
dos ventos na calma do vale.
No vale tão quieto.
E o olhar das crianças é mais puro do que o azul do
céu, do que o leitoso do céu, e do que um raio
de estrela na calma noite.
Ora eu resplandeço de tal maneira na minha criação.
Na face da montanha e na face da planície.
No pão e no vinho e no homem que lavra e no homem
que semeia e na messe e na vindima.
Na luz e nas trevas.
E no coração do homem que é o que há de mais
profundo no mundo.
Criado.
Tão profundo que é impenetrável a todo olhar.
Exceto ao meu olhar.
Na tempestade que faz cabriolar as ondas e na
tempestade que faz cabriolar as folhas.
Das árvores da floresta.
E ao contrário na calma de uma bela tarde.
Na areia do mar e nas estrelas que são uma areia
no céu.
Na pedra do limiar e na pedra da lareira e na pedra
do altar.
Na oração e nos sacramentos.
Nas casas dos homens e na igreja que é minha casa
sobre a terra.
Na águia minha criatura que voa sobre os píncaros.
A águia real que tem pelo menos dois metros de
envergadura e talvez três metros.
E na formiga minha criatura que rasteja e que armazena
um pouquinho.
Na terra.
Na formiga meu servidor.
E até na serpente.
Na formiga minha serva, minha ínfima serva, que
armazena a custo, a parcimoniosa.
Que trabalha como uma desgraçada e que não tem
mesmo folga e que não tem mesmo descanso.
A não ser a morte e o longo sono de inverno.

Eu resplandeço de tal maneira em toda a minha criação.
..........................   ...........................   .....................

A caridade, diz Deus, isso não me espanta.
Isso não é espantoso.
Essas pobres criaturas são tão infelizes que a não ser
que tivessem um coração de pedra, como não
haveriam de ter caridade umas para com as outras.
Como não haveriam de ter caridade para com seus irmãos.
Como é que eles não haviam de tirar o pão da boca,
o pão de cada dia, para dá-lo a desgraçadas
crianças que passam.
E meu filho teve para com eles uma tal caridade.
Meu filho irmão deles.
Uma tão grande caridade.

Mas a esperança, diz Deus, eis o que me espanta.
A mim mesmo.
Isso é espantoso.
Que essas pobres crianças vejam como tudo isso acontece
e acreditem que amanhã vai ser melhor.
Que vejam como isso acontece hoje e acreditem que vai
ser melhor amanhã cedo.
Isso é espantoso e é mesmo a maior maravilha da nossa
graça.
E eu mesmo me espanto com isso.
E é preciso que de fato minha graça seja de uma força
incrível.
E que ela escorra de uma fonte e como um rio
inesgotável.
Desde aquela primeira vez que ela escorreu e escorre
sempre desde então.
Na minha criação natural e sobrenatural.
Na minha criação espiritual e carnal e ainda espiritual.
Na minha criação eterna e temporal e ainda eterna.
Mortal e imortal.
E aquela vez, ó aquela vez, desde aquela vez que
ela escorreu, como um rio de sangue, do flanco
trespassado de meu filho.
Qual não deve ser a minha graça e a força da minha
graça para que essa pequena esperança, vacilante
ao sopro do pecado, trêmula a todos os ventos,
ansiosa ao menor sopro,
seja tão invariável, mantenha-se tão fiel, tão reta,
tão pura; e invencível, e imortal, e impossível
de apagar-se; que essa pequena flama do
santuário.
Que queima eternamente na lâmpada fiel.
Uma chama tiritante atravessou a espessura dos mundos.
Uma chama vacilante atravessou a espessura dos tempos.
Uma chama ansiosa atravessou a espessura das noites.
Desde aquela primeira vez que a minha graça escorreu
para a criação do mundo.
Desde então que a minha graça escorre sempre para a
conservação do mundo.
Desde aquela vez que o sangue do meu filho escorreu
para a salvação do mundo.
Uma chama impossível de se alcançar, impossível de se
apagar ao sopro da morte.

O que me espanta, diz Deus, é a esperança.
Eu fico pasmo.
Essa pequena esperança que parece uma cousa de nada.
Essa pequena esperança.
Imortal.
Porque as minhas três virtudes, diz Deus.
As três virtudes minhas criaturas.
Minhas filhas minhas crianças.
Elas próprias são como as minhas outras criaturas.
Da raça dos homens.
A Fé é uma Esposa fiel.
A Caridade é uma Mãe.
Uma mãe ardente, cheia de coração.
Ou uma irmã mais velha que é como uma mãe.
A Esperança é uma meninazinha de nada.
Que veio ao mundo no dia de Natal do ano passado.
Que brinca ainda com o boneco de neve.
Com seus pinheirinhos de madeira da Alemanha cobertos
de geada pintada.
E com seu boi e seu jumento de madeira da Alemanha.
Pintados.
E com seu presépio cheio de palha que os animais não
comem.
Porque elas são de madeira.
Entretanto é essa meninazinha que atravessará os
mundos.
Essa meninazinha de nada.
Ela só, levando os outros, que atravessará os mundos
volvidos.

* * *

Esperança humana: Rebelião contra a Queda, com Cristo tornada Revolução contra a Queda. Muitos não suportam esta palavra, mas o que dizer? O Cristianismo é mesmo fundamentalmente revolucionário.

 * * *

Moltmann, Jürgen. Citado por Ed. L. Miller em Teologias Contemporâneas (São Paulo: Vida Nova, 2011).
Frankl, Viktor E.. Em Busca de Sentido (Petrópolis: Editora Vozes, s/d).
Péguy, Charles. Breve Antologia da Poesia Cristã Universal (Edição eletrônica, org. Sammis Reachers, 2012).
Reações:

Um comentário:

  1. Eu me interresei pela "menininha esperança" mas ao iniciar a leitura fiquei confusa, alguns textos bíblicos bons mas relatos grandes que parecem um mundo de bolinhas coloridas bonitas brilhantes mas foi só, me perdoe talvez você escreveu com tanto ardor mas eu não pude sentir a "menininha" dentro de tudo, vou tentar ler de novo. um abraço, graça e paz!

    ResponderExcluir

Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios - Salmos 90.12.

▬▬▬▬▬▬▬

Seu comentário é muito importante para nós da UBE Blogs - União de Blogueiros Evangélicos. Portanto, comente com responsabilidade.

Atenção: Não serão aceitos comentários:

1) Ofensivos
2) Anônimos
3) Em CAIXA ALTA.

Administração UBE Blogs

Postagens populares nos últimos 7 dias

Postagens mais acessadas

Conexão de amizades

Google+ Followers

Categorias

2014 (4) abaixo-assinado (2) abençoando (1) Aborto (15) Abraão (2) Aconselhamento Pastoral (5) Acordo Ortográfico (3) Altair Germano (51) ANAJURE (7) ansiedade (1) Apocalipse (1) Apologética (15) assuntos atuais (15) Ateísmo (3) atitudes (12) audio-books (1) avivamento (1) ação coletiva (10) barbárie (6) Belverede (9) bibliografia (1) Bibliotecas virtuais (3) black bocs (1) Blog do Momento (51) Blogagem Coletiva (75) blogagem profética (3) Blogger (14) Blogosfera Cristã (275) blogueiros (10) Boas vindas (1) Boicote (8) Brasil (21) Bíblia (3) Bíblia de Estudo (7) Cadastro (2) calvinismo (1) Campanhas (13) Carla Ribas (24) Carlos Minc (2) Carlos Nejar (1) Carlos Roberto Silva (5) Carnaval (1) casamento (18) cenas da vida (12) charge (4) Charles Péguy (1) China (1) CIA (1) cidadania (39) Cintia Kaneshigue (53) ciência (1) clamor (2) Como criar e editar um blog? (103) comportamento (9) Comunicados (55) Concurso no blog (7) Concursos (19) conectados em oração (8) confiar em Deus (1) conscientização (2) Consciência Cristã (20) Conto (1) contras (1) Contribuição (2) conversão (7) copa 2014 (3) coragem (1) corporativismo (2) corrida (1) corrupção (22) cosmovisão cristã (220) cotidiano (1) CPAD (14) CPAD News (5) CPI do Tráfico Humano (10) Creative Commons (6) crianças (9) crianças desaparecidas (8) crime (2) crowdfunding (1) Culto de Missões (6) cura gay (1) David Botelho (1) Denúncias (10) desabafo (1) Desafiando Limites (43) Desafio aos blogueiros (4) Desaparecidos (13) Desarmamento (2) Desastre Rio de Janeiro (4) descriminalização das drogas (1) Deus. (13) devocional (103) Dia da Bíblia (7) dia da mulher (7) Dia das Mães (5) Dia de Missões (3) Dia dos Pais (4) Dicas (114) dinheiro (7) direitos humanos (9) dissertação (1) Divulgação (12) Domingo da Igreja Perseguida (6) dons espirituais (5) Dr. Luis Pianowski (1) Dracaena (1) Drogas (2) e-book (25) e-books (3) EBD (48) EBI (1) Eclesiastes (1) Ecologia e Natureza (14) Editorial (8) eduardo campos (2) educação (1) Eleições (22) Eleições 2014 (10) Eliseu Antonio Gomes (486) ENBLOGUE (20) enchentes (1) Enquete (10) Entrevistas (38) Escola Dominical (6) Escrita (8) Esdras Costa Bentho (12) Esperança (10) Esportes (5) Estatuto (1) Estudos (16) Etica no Blogar (23) Evangelho (1) Evangelismo (56) Evento (14) exposed (1) Facebook (5) Família (55) família Cristã (2) Felipe M Nascimento (14) Ferramenta LIVRO (3) Ferramenta TEATRO (2) Ficção (1) Fidelidade (1) figos (1) filhos (4) Filmes (5) Filosofia (3) fim do mundo (4) financiamento coletivo (1) finanças (2) formação de opinião (7) Formspring.me (1) frases e citações (5) Frida Vingren (1) futebol (2) (7) Férias (1) gastos copa do mundo (1) Geisa Iwamoto (2) Genivaldo Tavares de Melo (43) George Soros (1) Geremias do Couto (12) Geziel Gomes (1) gif (1) governo (6) Graça (13) Guerra Cultural (2) guerra espiritual (1) Gutierres Siqueira (15) História (5) homofobia (2) HQ (1) Humor (4) Identidade (1) idosos (1) igreja (14) Igreja Perseguida (7) Imagens Cristãs (7) impostos (2) incoerência (2) indicação bibliográfica (1) indignação (1) infidelidade conjugal (2) inspiração (3) Intelectualidade (7) Interatividade (2) intercessão (20) internet (33) Internet Evangélica (27) intolerância (3) investigação (1) Islamofobia (1) Izaldil Tavares de Castro (10) J.T.Parreira (1) Jairo de Oliveira (1) Japão (19) jejum (1) Jesus. (1) jogos eletrônicos (1) Jordão (1) Jorge Luis Borges (1) João Cruzué (62) judiciário (3) Jurgen Moltmann (1) justiça (2) juventude (1) Júlio Severo (8) Kelem Gaspar (17) legislação (4) LGBTS (1) liberdade de expressão (2) liberdade de imprensa (4) liderança (8) literatura (8) livro digital (1) Livros (68) lição de vida (10) Lucas Santos (8) Luis Ribeiro (7) maconha (2) Magno Malta (1) manifestação (1) manifestações copa (1) manipulação midiática (1) manisfestação (1) Mantenedores UBE Blogs (3) Manual da UBE (8) marcha (1) Marco Feliciano (18) maridos (1) Marina Silva (1) Marl Virkler (1) Marta e Maria (1) Marta Suplicy (3) Martinho Lutero (1) mastectomia (1) Matusalém (1) Maya Felix (10) Meios de comunicação (1) mentira (4) missiologia (21) Missão Integral (5) missões (86) mistário (1) morte (1) Motivação (42) mulheres (3) mártires (1) música (3) nacional (1) namoro (2) Natal (33) Nietzsche (1) Notícias (86) opinião (28) oração (7) Orkut (13) ortodoxia (1) Pablo Massolar (1) pagamento (1) papel de parede (1) passatempos (4) pastores (7) Paul Washer (1) pena de morte (1) perdão (1) Perseguição política (9) Perseguição religiosa (21) Pinterest (1) PL 122/2006 (60) Plágio (13) PNDH - 3 (17) poder de Deus (6) Poesia (20) polêmicas (6) Política (111) Pornografia (2) portas abertas (1) Português (5) Primavera de Sara (2) profecia (1) profecias maias (1) profeta (1) Promoção (39) Protestantes (12) protesto (1) prós (1) páscoa (3) Rankings (1) Recursos (8) Redes Sociais (41) Reflexão (56) Reino dos céus (1) repouso (1) Repúdio (34) ressurreição (1) Retrospectiva (1) Revista Cristã (7) REVISTA FORBES (1) Robin Willians (1) Ronaldo Côrrea (2) Sammis Reachers (85) Sara (2) Saúde Pública (4) SBB (1) Selos (16) Senado Federal (19) SENAMI (1) Sentido da vida (3) Sidnei Moura (4) Silas Daniel (2) Silas Malafaia (28) Sorteios (16) STF (9) suborno (1) Teatro (2) Tecnologias (6) Televisão (9) Templates (8) teologia (5) testemunho (8) trabalho escravo (1) tradução (4) tragédias (2) tribulações (1) tráfico sexual (5) tutoriais (9) Twitter (10) UBE (11) UBE 2007 (83) UBE 2008 (120) UBE 2009 (166) UBE 2010 (201) UBE 2011 (236) UBE 2012 (173) UBE 2013 (159) UBE 2014 (149) UBE NA MÍDIA (4) UBEbooks (2) UOL (5) urnas (1) utilidade pública (12) Uziel Santana (2) vaidade (1) Valmir Nascimento Milomen (107) vencer (1) viagem (2) viagem missionária (4) Victor Leonardo (7) vida (1) Vida Cristã (111) vida eterna (3) vida real (13) Viktor Frankl (1) VINACC (13) Vinicius Pimentel (1) voto (1) voto evangélico (1) vídeo (50) Wagner Santos (1) Wallace Sousa (67) wallpaper (1) Wellykem Marinho (1) Wilma Rejane (140) Yosef Nadarkhani (7) Zip Net (3) África (3) ética (1) Ônibus Mágico (1)